Por causa do que?

Vez ou outra os sofrimento nubla nossa vida por um tempo e nos remete à uma escuridão que não parece ter fim, chacoalhando nossa convicções e até nossa fé.

 

 

Sofrer todos sofrem e alguns mais demoradamente, independente de credo.

Quem é Espírita ou Espiritualista, pode encontrar mais facilmente forças para suportar sofrimentos talvez por sabê-los passageiros.

 

Quando a luz se faz perceber em meio a escuridão dissipando-a, começamos a perguntar: Por que? O que preciso aprender com isto? O que a Vida quer me ensinar e não estou entendendo… tudo eu, tudo eu, tudo eu… oh vida, oh azar <:o)

 

Quem é versado em romances espíritas e noveleiro Global, pode vir a achar que o ser humano vive  numa mesmice… é um já vi este filme… deja vu, repeteco…

Você que me lê, concorda ou não? Então comente <:o)

 

Será que não há novidade nos sofrimentos? Sempre a mesma coisa?

 

Sem medo de errar uma grandessíssima maioria sofre por causas afetivas, coração quebrado, laços afetivos rompidos…  desafetos no grupo familiar, conjugal…

 

Será que conseguimos viver sem afeto? Precisamos sentir ser amados, acarinhados e sermos recíprocos também. 

 

Mas essa mesmice pode significar que estamos repetindo a história de milhões de antepassados na esteira da História… os protagonistas do ontem são os mesmos de hoje… NÓS… então, por que não aprendemos nesse tempo? Ou por que ainda sofremos?

 

Este é um segredo que hoje só Deus sabe…

 

Quando o individuo encontra tal resposta ocorre a sua libertação da Roda Encarnatória e o sofrimento termina.

 

Sofremos p/q somos dependentes do outro e a dependência começa no útero materno e passamos a ser diuturnamente ‘alimentados’, saciados da fome e saciados da fome de afeto. A privação deste básico significa a falta de atenção de alguém para conosco nos quesitos de amor, de carinho, atenções estas vitais para nós.

 

Deus nos criou livres, mas dependentes… p/q será?

Somos criaturas que inventamos nossas necessidades pela vida toda, mas em essência queremos sempre a mesma coisa. Acho que o nosso aprendizado em sofrimento é entendermos primeiramente que nós sofremos ‘por nós mesmos’.

 

Sofremos por nossas carências de afeto, carências materiais, carências espirituais. Vivemos num ‘imbroglio’: sofremos por nós mesmos e não sabemos solucionar isto sem ajuda de alguém e por nossa vez não sabemos ajudar o outro nessas carências  e vamos colecionando para as encarnações futuras pendências como: mágoas, rejeições, traições, cobranças, assédios, p/q ficamos na esperança que o outro nos satisfaça e venha ‘lamber’ nossas feridas, nos dar carinhos, nos ‘alimentar’.

 

Mexa-se, pergunte o que o sofrimento quer lhe ensinar. Pense no que lhe falta. Pense naquilo que você não fez e não faz por si mesmo.

 

Aprenda a amar a si mesmo para depois, somente depois, ser capaz de AMAR o próximo-próximo.

 

Anúncios