Daniel Castro, em sua coluna sobre TV na Folha de SP (conteúdo apenas para assinantes) informa que o médium Luiz Gasparetto, na tentativa de salvar seu programa na Rede TV, “resolveu apelar a sessões de incorporação de espírito” durante o programa.

Diz o colunista que a tal incorporação fez “tanto sucesso” que a emissora já está fazendo chamadas para o próximo programa, onde o médium “promete incorporar ao vivo e atender a telefonemas de aflitos.”

Daí o articulista conclui, com uma ponta de ironia que “ameaçado de sair do ar, o programa foi salvo pelo Além.”

Ao ler essa nota, eu me lembrei de um livro que li (não lembro o nome) onde um dos personagens era um rapaz com uma mediunidade exuberante e que usava sua mediunidade para o bem geral. Seus inimigos desencarnados não gostavam muito disso, tampouco os demais inimigos da Luz. Então arquitetaram um plano em que, usando as más tendências do médium, o fariam cair em descrédito.

E assim aconteceu. O benfeitor que se utilizava dele para os trabalhos acabou se afastando em função da situação moral do médium, tendo sido imediatamente substituído por um mistificador que aumentou as situações ridículas pelas quais o médium passava o que, ao longo do tempo, fez com que o trabalhador caisse em descrédito.

Tudo isso reforça em mim a necessidade de me manter junto a um grupo de trabalhadores e amigos em quem confio para que, ao verem que estou começando a enfiar o pé na jaca, me ajudem, alertando-me sobre as escolhas equivocadas que faço.

Nossa vontade e perseverança ainda são muito frágeis e, por isso, somos facilmente manipuláveis por aqueles que não nos querem bem ou não gostam dos trabalhos que executamos.

Infelizmente ainda não sabemos lidar muito bem com nosso livre arbítrio e nos esquecemos facilmente que “tudo me é lícito, mas nem tudo me convém”.

Por tudo isso é importante ficarmos atentos a todos os exemplos que nos chegam.

Inclusive aos maus exemplos….

Anúncios