junho 2008


Quando você nasceu, não veio com manual do proprietário.Essas dicas fazem a vida funcionar melhor:

1- Você vai receber um corpo.
Pode amá-lo ou detestá-lo, mas é a única coisa que você com certeza
possuirá até o fim da sua vida.

2- Você vai aprender lições.
Ao nascermos, somos imediatamente inscritos numa escola informal
chamada “Vida no Planeta Terra”. Todas as pessoas e acontecimentos
são “professores universais”.

3- Não existem erros, apenas lições.
Crescimento é um processo de experimentação, no qual as “falhas” são
tão parte do processo quanto os “sucessos”.

4- Uma lição é repetida até que seja aprendida.
Será apresentada a você em várias formas, até que você enfim entenda.
Poderá, então, passar para a próxima lição.

5- Se não aprender as lições fáceis, elas se tornam difíceis.
Problemas externos são o preciso reflexo do seu estado interior.
Quando você limpa obstruções, seu mundo exterior muda. A dor é o
jeito do universo chamar a sua atenção.

6- Você saberá quando aprendeu uma lição quando suas ações mudarem.
Sabedoria é prática.

7- “Lá” não é melhor do que “aqui”.
Quando “lá” se torna “aqui”, você vai simplesmente arranjar
outro “lá”, que de novo parecerá melhor que “aqui”.

8- Os outros são um espelho de você.
Você não pode amar ou odiar alguma coisa sobre o outro a menos que
reflita algo que você ama ou odeia em você mesmo.

9- Sua vida, só você decide.
A vida dá a tela, você faz a pintura. Escolha as cores e pegue os
pincéis!

10- Você sempre consegue o que quer.
Seu subconsciente determina quais energias, experiências e pessoas
você atrai. Assim, o único jeito de saber o que você quer é ver o que
você tem. Não existem vítimas, apenas estudantes.

11- Não existe certo ou errado, mas existem conseqüências.
Dar moral não ajuda. Julgar também não. Apenas faça o melhor que
puder.

12- Suas respostas estão dentro de você.
Crianças precisam de direção dos outros. Quando amadurecemos,
confiamos em nossos corações, onde as leis universais estão escritas.
Você sabe mais do que ouviu ou aprendeu. Tudo que você precisa é
olhar, prestar atenção, e confiar.

13- Você vai esquecer tudo isso.

14- Mas pode lembrar sempre que quiser.

autor desconhecido

 

 

Anúncios

Namorada, uma das aquisições mais belas do Espírito, a do sentimento por outra pessoa e, junto com esse sentimento, toda uma programação de sonhos e realizações a acalentar a alma que ama outra alma.

Companheira em todas as situações, a namorada verdadeira deve ser elevada pelo Espírito que a ama, à sua glória maior: a de nossa complementação como ser; e nós, por nossa vez, seremos a complementação dela, se assim o soubermos ser.

Assim, elevados pelo amor, seremos o núcleo da célula família que estenderá esse amor aos que dele surgirão, para multiplicar o amor no mundo.

A música é uma homenagem às namoradas de todos nós, aqui entendido a companheira de nossas vidas.

É para quem tem, estendida aos que não têm por circunstâncias da vida do Espírito encarnado, na provação que lhe compete, em forma de esperança, na certeza de que um dia terão, pela consoladora doutrina da reencarnação.

Considero essa ausência uma grande provação e, por isso mesmo, façamos por merecer, os que temos, compreendendo e amando nossas companheiras, lembrando que todo dia é dia dos namorados.

Um abraço a todos.

Anderson

 

Abriu a porta e viu o amigo que há tanto não via. Estranhou que ele viesse acompanhado de um cão. Cão forte, saltitante e com ar agressivo. Abriu a porta e cumprimentou o amigo efusivamente.

 

— Quanto tempo!

 

— Quanto tempo — ecoou o outro.

 

O cão aproveitou a saudação e entrou casa adentro.

Logo um barulho na cozinha demonstrava que ele tinha virado qualquer coisa. O dono da casa encompridou as orelhas. O amigo visitante, porém, nada.

 

— A última vez que nos vimos foi em…

 

O cão passou pela sala, entrou no quarto, e novo barulho desta vez de coisa quebrada. Houve um sorriso amarelo do dono da casa, mas perfeita indiferença do visitante.

 

— Quem morreu foi o… você se lembra dele?

 

O cão saltou sobre um móvel, derrubou um abajur, logo trepou as patas sujas no sofá e deixou a marca digital e indelével de seu crime. Os dois amigos, tensos, agora fingiram não perceber.

 

Por fim, o visitante despediu-se e já ia saindo quando o dono da casa perguntou:

 

— Não vai levar seu cão?

 

— Cão? Ah, cão! Oh, agora estou entendendo. Não é meu não. Quando eu entrei, ele entrou comigo tão naturalmente que pensei que fosse seu.